EMERGÊNCIA: FAMILIAS, EM SITUAÇÃO INSUSTENTÁVEL, A SEREM DESPEJADAS ESTA SEMANA NO CONCELHO DA AMADORA

Por vê-mos, ouvimos e lê-mos, não podemos Ignorar, reproduzo o Comunicado de 4 Associações sobre a iminência de mais despejos no Bairro de Santa Filomena na Amadora. Este bairro, como outros bairros pobres da Grande Lisboa, têm sido alvo de … Continuar a ler EMERGÊNCIA: FAMILIAS, EM SITUAÇÃO INSUSTENTÁVEL, A SEREM DESPEJADAS ESTA SEMANA NO CONCELHO DA AMADORA

Limito-me a observar

Limito-me a observar O vai e vem do terminar fluvial, As gaivotas que disputam os ares e o peixe do rio As conversas que não quero ouvir os risos que me surpreendem O olhar vazio da rapariga que não tem idade para ter olhar vazio O arrastar dos pés do velho solitário O balancear das ancas da mulher trigueira As risadas dos marinheiros de rio, à disputa amigável com os ferroviários e rodoviários A surda inquietação que agita tudo nestes dias findos do Verão As nuvens cinzentas, tumultuosas que se adensam nos céus depois de muito tempo terem andado longe … Continuar a ler Limito-me a observar

SISMO – A gata arranhou-me, eu assutei-me e o Instituto de Meteorologia ficou gago…

Este texto foi escrito cerca das 03H15 de 17/12/2009 Já passou hora  e meia, acalmei os tremeliques. A gata miou e arranhou-me a perna ao sentir o chão tipo Tejo com carneirinhos. O candeeiro andou às voltas. Eu senti sentado e pus-me num salto em pé e continuei a sentir. Depois tentei perceber se era grave: o site do Publico… pfff.. mas por muito pouco tempo. A Lusa, idem… Já estão a informar e tudo. O site do Instituto de Meteorologia e Geofísica, lá deu um ar da sua graça mas foi-se abaixo como se tivesse no epicentro.Ficou gago e … Continuar a ler SISMO – A gata arranhou-me, eu assutei-me e o Instituto de Meteorologia ficou gago…

Há 1 ano…

Há um ano, precisamente há um ano, o mundo parou! Para mim, pelo menos. Como numa noite escura sem fim, há um ano, precisamente há um ano, senti-me perdido Depois, como tudo na vida, excepção feita à morte, as coisas foram-se redefinindo, as cores ganharam de novo vida, o silêncio ganhando contornos de conforto, os risos reconquistando espaços. Um ano duro mas gratificante. A quem me parou o mundo agradeço esta oportunidade de voltar a conhecer-me e a conhecer os outros. A todos os outros, que me ampararam, riram-se de mim, riram comigo, abanaram-me, estiveram cá, também a eles agradeço … Continuar a ler Há 1 ano…