Que viva a Comuna 

Há poucos dias passou o 146º aniversário da tomada do poder pelos proletários de Paris, face à miséria de vida e à traição das classes dirigentes. Face à miséria geral e à guerra franco-prussiana, face às manobras de traição das instituições estatais, os proletários “assaltaram o céu.” Esta ilustração, que celebra a Comuna, liga a um excelente artigo de Niall Mulholland, do Secretariado Internacional do Comité Por uma Internacional dos Trabalhadores, publicado pelo Socialismo Revolucionário. Que viva a Comuna!   Continuar a ler Que viva a Comuna 

Mudar de Rumo

A revista “Forbes” relata, à sua escala, o terramoto social que arrasa o mundo: Os possuidores de fortunas acima de mil milhões de dólares – bilionários – passaram de 1.125 em 2008 para793. A riqueza conjunta dos bilionários viu-se reduzida em 1,4 milhões de milhões de dólares! Ainda assim detêm mais riqueza que metade da Humanidade. Setecentas mil pessoas são despedidas por mês nos Estados Unidos da América. Centenas de milhares perderam, no ano passado, o emprego, o carro e a casa. Por todos os Estados Unidos vêem-se aparecer cidades de tendas de campismo onde os novos pobres acampam. Por … Continuar a ler Mudar de Rumo

Memória do 11 de Março

Estava no pátio da Escola Comercial Ferreira Borges. Vimos um avião de caça picar sobre o Palácio de Belém. Não disparou. Outro foi matar o soldado Luís na parada do RALIS, do outro lado da cidade. A rádio da escola avisou que estava a haver um golpe militar. Fechamos a escola. Reunimos uma RGA. À nossa escala defendemos a democracia. Pouco tempo depois começamos a ouvir falar da “ameaça comunista”. O PS, lado a lado com os bombistas do ELP/MDLP preparava a guerra civil e pedia a intervenção da NATO. Em Novembro o General das patilhas repunha a “ordem”. Os … Continuar a ler Memória do 11 de Março

Bosque(s) dos Ausentes, Florestas do Presentes

Quem manda, mandou plantar 122 ciprestes e oliveiras numa colina artificial em plena Madrid, O Bosque dos Ausentes. Quem manda chorou hoje, ritualmente, as 122 vítimas do inqualificável atentado que há exactamente um ano abalou Atocha, Madrid, o Estado Espanhol e o Mundo. Quem manda esteve reunido para discutir pela enésima vez o problema do terrorismo, o frágil equilíbrio entre segurança e liberdade, as mil e uma maneiras de manter as raízes do terror e não deixar que as folhas despontem. Depois há os outros: Os que olham, horror nos olhos, o vazio que as bombas ali deixaram, como deixaram … Continuar a ler Bosque(s) dos Ausentes, Florestas do Presentes

Dia Internacional da Mulher

“Uma operária tecedeira de meia idade da fábrica Maxwell levantou-se para falar. Tinha uma bela cara, aberta; vestia um vestido de algodão desbotado apesar de se estar no fim do Outono. A sua mão termia nervosa, um dedo brincando com o colar. A sua voz soava com uma qualidade inspirada, inesquecivel. “Vocês habituaram as vossas mulheres a dormirem em camas macias, a comerem comidas doces” atirou aos delegados da fábrica Putilov [que estavam a propor que aceitassem pelo menos uma retirada temporária]. “É por isso que têm medo de perder os vossos empregos. Mas nós não temos medo. Nós estamos … Continuar a ler Dia Internacional da Mulher