70 Anos

ManelMonteiro

 

Por Manuel Monteiro,
poeta, escritor, alfarrabista
Foi camponês, operário, deputado (do lado certo da vida), vendedor de detergentes, dono de tasquinha na Bica. Amigo dos amigos (tenho orgulho na sua amizade). Fraternal. Radical. Recusa-se a desistir de lutar.

70 ANOS

Como água que corre no rio indomável da vida
Como pedra que rola pela encosta e deixou marcas
Como pássaro que levanta vôo e vê mais longe
Como fogo que incendeia e se extingue em brasa
Como espada em fúria na carne cravada
Como tudo e como nada

Como o coração que se dá sem limites
Como menino que acordou em estranha terra
Como soldado infeliz em nefanda guerra
Como bandeira deixada na beira da estrada
Como da morte o grito da vida se elevou na batalha
Como tudo e como nada

Como às vezes acordar e desejar partir
Como olhar a luz e caminhar pra nascente
Como gritar contra o corpo que parece ceder
Como sentir cá dentro uma força maior
Como escrever o poema no corpo que passa
Como sentir quando se cai que alguém nos abraça

Como recordar a terra que de nós se esqueceu
Como amar quem se esquece e está sempre ausente
Como acalentar o que renasce e sepultar quem fenece
Como deixar escrito os secretos pensamentos
Como beber no total todos os momentos
Como viver no outono a desejada primavera
Como olhar a neblina e divisar o infinito
Como viver o que escrevemos e não o que estava escrito

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.