…desmaiar suave das cores da Cidade

A minha vista espraia-se pela Alameda, o sol decaíndo para os lados do Técnico, num desmaiar suave das cores da cidade.

Ladra, algures, um cão.

Estou sentado numa das mesas que se tornaram a sala de estar de reformados e desvalidos que pastam a solidão pelas ruas.

Fim de diaNoutra mesa, atrás de mim, 3 pessoas conversam. à minha frente, sentado num murete, um dos muitos imigrantes olha em seu redor, sem outro fim que simplesmente olhar.

“Ió, bóra ver aqui…” exclama um a voz jovem atrás de mim. “Xêee, que ganda parque…”. A sua voz distancia-se, ficando eu sem saber quem ele era ou quantos e quem eram os seus companheiros.

Um burburinho cresceu e morreu na mesa da sueca onde 4 velhotes se batiam contra o tédio e mais uns quantos, de pé, praticavam a crítica de jogadas, tornando-os comentadores de bancadas.

Lá ao alto voa de Lisboa um avião. Aponta ao sul. Brasil?

Diz que escrever é tarapeûtic. Que sei eu?

A minha vista continuou espraia-se pela Alameda, o sol mais decaído para os lados do Técnico, num desmaiar suave das cores da cidade…

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.